É o que é e vale o que vale

Boas tardes, meus caros. Espero que a saúde vos acompanhe e que vos tenha em boa companhia. Estas palavras que hoje vos trago foram escritas há um par de meses durante as derradeiras tardes de Verão e todos nós sabemos que o infernal Verão do Nordeste Trasmontano é como é e as sombras frescas estão onde estão.

Eu, pessoalmente, não desfazendo velhos choupos e amoreiras, prefiro as sombras das casas antigas feitas há muitos anos atrás com aquelas grandes lajes de xisto mais refrescantes que qualquer sistema de ar condicionado. Uma pessoa entra para dentro de casa, muitas vezes após desviar do caminho as típicas correntes de fitas para o moscaredo, e sente imediatamente aquele bom frio fresquinho a emanar das pedras que os homens a braços extraíam dos termos das aldeias, subiam para cima dos carros e levavam para as casas com ajuda domesticada de animais laboriosos.

Antes que me esqueça congratulo desde já o caro leitor por fazer parte deste momento com especial irrelevância histórica. É que o parágrafo anterior bateu provavelmente o recorde de truísmos, pleonasmos e repetições desnecessárias de que há memória num só parágrafo pelo menos na era D.C., depois do Covid. É um momento com a sua peculiaridade e que, como outros, vale o que vale. Quero com isto dizer que é saborosamente interessante para quem aprecia a moda das palavras com que as pessoas vestem o seu falar, poder acompanhar quais os acessórios, nomeadamente, as muletas, bengalas ou cajados que mais se usam em cada época. Por norma, as pessoas com menos recursos a nível de guarda-roupa lexical são as que mais aderem a este tipo de vestuário, mas também há as que tropeçam nestas vestimentas à força de tanto estarem na moda. Nesta Primavera/Verão está muito em voga o é o que é, um acessório poderoso na medida em que diz tudo sem dizer nada, ou por outro lado, que nada diz deixando tudo concludentemente dito. A nível de rematar frases é uma expressão portentosa uma vez que consiste numa espécie de solilóquio epicurista voltado para a aceitação das coisas segundo a sua natureza intrínseca, o que se coaduna com estes tempos de pandémica impotência perante o devir colectivo da humanidade. Ou para usar esta bainha retórica com que neste momento se bordam as frases, e tal como defende a filosofia mais económica, a força desta expressão reside no facto de que as coisas são como são e o ser humano vale o que vale. A questão é que a sensibilidade dos nossos ouvidos também é como é. Por isso, pese embora a boa intenção dos rematadores, estes são remates de frases cujo propósito era ir na direção do gol mas acabam por desaguar tristemente pela linha lateral. No meu caso, este exercício é ainda mais desafiante de fazer porquanto eu não vivo em Portugal. Na verdade eu nem sei se esta é efetivamente uma moda entre o falar dos portugueses ou se apenas mera impressão minha. É que a minha amostra tem apenas três pessoas. É certo que são apenas três gatos pingados, mas, conhecendo o perfil do todo, o suficiente para considerar ou desconfiar que têm alguma relevância estatística. A saber: um técnico interino que disse há tempos que a situação do seu time é o que é e acrescentou que os problemas têm a dimensão que têm; um locutor de rádio a quem ouvi dizer é como é a propósito de não sei o quê; e um amigo que me enviou uma mensagem de Whatsapp dizendo que estava tudo bem e que cito “isto da pandemia é uma m…, mas é o que é”, assumindo aqui a expressão um profundíssimo valor semântico e sociocultural de cariz indelevelmente português. Possui o escárnio no modo abrangente e conspurcado como define a pandemia e introduz uma constatação pertinente e aliterante que fomenta a reflexão e induz no receptor da mensagem margem para a sua própria interpretação da mesma. É o que é representa um idiomatismo como sinal dos tempos que atravessamos e que pela sua descarga retórica estará ao mesmo insigne nível das tiradas que se partilhavam dos futebolistas e jornalistas desportivos no tempo em que ainda se enviavam piadas e entreténs por e-mail. “Não jogaram bem nem mal, antes pelo contrário”; “fica na retina um cheiro a bom futebol”; “neste estádio ouve-se um silêncio ensurdecedor”; “prognósticos só no fim do jogo” são exemplos de frases que fazem parte do cancioneiro de idotismos portugueses com o bastante de idiota para se poderem fossilizar. Infelizmente esta moda ir-se-á desvanecer com o tempo e será substituída por outros acessórios causadores de coceira em sítios difíceis de coçar. Esperemos que a moda Outono/Inverno de acessórios parvo-linguísticos seja mais amiga dos nossos ouvidos internos. Talvez não, porque afinal a vida é como é, as pessoas são como são e tudo isto vale o que vale. Saúde! Um abraço!

Manuel Pires é professor de Português para estrangeiros e leciona na China

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Carrinho de compras